Athrotaxis cupressoides - Pinheiro Lápis, Pinho do lápis, Pencil Pine

SKU P-1189 Categorias , ,

Nomenclatura botânica: Athrotaxis cupressoides
Nome comum: Pinheiro Lápis, Pinho do lápis, Pencil Pine
Família: Cupressaceae
Origem: Austrália (Tasmânia)
Altura: 15 – 20 metros
Luminosidade: Pleno sol, sombreamento parcial, sombra

R$ 48,90

Escolha abaixo quantas sementes por embalagem você deseja?

Descrição

A Tasmânia é afortunada em possuir um número muito grande de espécies de plantas originais que não ocorrem em nenhuma outra parte do mundo. Suas florestas tropicais e comunidades alpinas são um cenário único de plantas de grande significado botânico. Um desses grupos de plantas, as coníferas nativas, é particularmente importante, não só por seus valores botânicos, mas também pelo papel que as coníferas têm desempenhado na história da Tasmânia.

O pinheiro lápis atinge até 20 metros de altura e apresenta galhos ascendentes , folhas verde-escuras em forma de escamas dispostas em espirais e cones masculinos e femininos na mesma árvore; ocorre em altitudes entre 700 e 1300 metros. São vistos frequentemente em torno das encostas dos lagos, beirando riachos e nos entornos das montanhas, criando o ambiente original dessas áreas belíssimas da Tasmânia.

Athrotaxis cupressoides pode alcançar idades superiores a 1.200 anos. Grande longevidade permite que as espécies acompanhem a variabilidade ambiental em uma escala de séculos, regenerando principalmente nos períodos em que combinações favoráveis de circunstâncias permitam.

As coníferas nativas da Tasmânia são altamente suscetíveis ao fogo e por esse motivo alguns dos maiores povoamentos puros de pinheiro foram perdidos nos últimos anos.

Athrotaxis cupressoides é cultivada por sua madeira macia e avermelhada, que é frequentemente usada na construção. Longe de sua área nativa, é cultivada como uma árvore ornamental em jardins europeus e muito apreciado em grandes coleções mundo a fora.

A espécie está ameaçada (lista vermelha IUCN de 2013 – 2016), com a principal causa do declínio sendo os incêndios florestais fora de controle definidos para limpar os detritos da extração de madeira nas florestas de eucalipto próximas; uma grande proporção da área de distribuição da espécie foi severamente afetada por grandes incêndios em 1960 – 1961. Atualmente mais de 90? das áreas remanescentes da espécie, encontra-se agora dentro das reservas da IUCN, especialmente dentro da área do ‘Patrimônio Mundial da Região Selvagem da Tasmânia’.

Informação adicional

Peso Não aplicável