Agrimonia eupatoria - Eupatória, Erva Milagrosa, Erva dos Gregos, Erva Hepática, Campanários de Igreja

SKU P-1342 Categorias , , ,

Nomenclatura botânica: Agrimonia eupatoria
Nome comum: Eupatória, Erva Milagrosa, Erva dos Gregos, Erva Hepática, Campanários de Igreja
Família: Rosaceae
Origem: Ásia, Europa e América do Norte
Altura: 1,00 – 1,50 metros
Luminosidade: Pleno sol, sombreamento parcial
Clima: Ver descrição

R$ 48,50

Escolha abaixo quantas sementes por embalagem você deseja?

Limpar

Descrição

Agrimonia eupatoria é uma herbácea perene, amplamente usada na medicina chinesa, repleta de folclore, que tem seu uso difundido através do mundo como ‘Erva Milagrosa’.

O uso de Agrimonia remonta aos egípcios antigos, o nome vem da palavra grega ‘argemone’ (planta que cura os olhos). A palavra “Eupatoria” vem do rei Mithridates Eupator de Pontus, na antiga Pérsia, que foi dito ter desenvolvido um antídoto universal para o veneno e, segundo a lenda, ele foi o primeiro a notar o poder mágico de cura da planta.

O poder mágico de Agrimonia também é mencionado em um antigo manuscrito médico inglês como poderoso auxiliar do sono.

A planta inteira é profundamente verde, com folhas serrilhadas e quase todas situadas em sua base ligeiramente felpuda. As flores amarelas são delicadamente aromáticas e mesmo sua pequena raiz é docemente perfumada, especialmente na primavera. Os picos de flores emitem um aroma mais intenso e refrescante como o dos damascos. Tanto as folhas como as flores quando secas permeiam seu delicioso aroma por todo ambiente.

Na Inglaterra, as folhas secas são usadas no preparo de uma bebida de primavera ou bebida dietética e tradicionalmente servida na estação da primavera como purificador do sangue.
Na França, onde geralmente as ervas são mais empregadas, o chá de Agrimonia, tanto por sua fragrância, como por suas virtudes, é muitas vezes uma bebida de mesa comum.

Os longos picos de flores concedem a planta o seu nome comum ‘Campanários de Igreja’.

Plinio descreveu a Agrimonia como uma erva de autoridade principesca; Dioscórides a recomendava para os que tem mau no fígado; Green, em seu (The Universal Herbal), disse que ela cura a malária. O doutor Daniel Smith, que praticou a medicina na primeira metade do século XIX, escreveu um livro (The Reformed Botanic And Indian Physician), em que recomendava a decocção de Agrimonia para tratar a demência.

Princípios ativos: ácido salicílico, agrimofol, agrimondina, derivados floroglicinóis, elagitaninos, provitamina k, saponinas, taninos, vitamina b, agrimonina, agrimolida, quercetina, fitosterina, eupatorina, traços de óleo essencial e de alcalóides, ácido ursólico.

As propriedades medicinais e indicações são extensas. As partes usadas da planta são as raízes, as folhas, as hastes e as flores.

Nos Estados Unidos e no Canadá, no final do século XIX, a planta foi prescrita para combater diversas enfermidades.

A planta geralmente é encontrada crescendo em prados e pastagens úmidas, em orlas de bosques, beirando florestas, borda das estradas ou as margens de cursos de água.

A planta é adaptada ao crescimento em solo alcalino, mas também pode tolerar o solo ligeiramente ácido. É uma planta rústica e livre de pragas após bem estabelecida e apesar de ser tolerante a seca, é necessário irrigação em períodos de seca prolongada para que possa florescer.

Importante:
Tentamos limitar nossas informações sobre plantas com indicações na área da medicina e saúde, pois acreditamos que tais informações necessitam de um estudo bem mais dirigido e amplo. Muitas de nossas espécies são oferecidas na premissa de que podem auxiliar nas pesquisas e, determinadas condições de uso, com orientação baseada em claro conhecimento. Não somos aptos a recomendar o uso de nenhuma planta como uso medicinal, o mesmo deve ser feito com a orientação e conhecimento de um profissional nessa área.

Informação adicional

Peso Não aplicável