Brassica oleracea Botrytis Romanesco (C.O) - Brócolis Romanesco, Couve-Flor Romanesco, Broccoflower

SKU P-37 Categoria

Nomenclatura botânica: Brassica oleracea Botrytis Romanesco (C.O)
Nome comum: Brócolis Romanesco, Couve-Flor Romanesco, Broccoflower, Couve Brócolis Romanesco
Familia: Brassicaceae
Luminosidade: Pleno sol, sombreamento prcial
Altura: 0,60 – 0,80 metro
Plantio: Outono, Inverno
Colheita: 75 – 90 dias

R$ 34,80

Escolha abaixo quantas sementes por embalagem você deseja?

Limpar

Descrição

Brócolis Romanesco (também conhecido como Couve-flor Romana, Couve-flor Românica ou simplesmente Romanesco) é um botão de flor comestível da espécie Brassica oleracea.
Documentado pela primeira vez na Itália, é de cor verde limão brilhante e esferas estranhas que se projetam em sua superfície. Seu sabor é mais delicado do que brócolis ou couve-flor com um sabor sofisticado de nozes.

O Romanesco é cultivado na Itália desde o século XVI e, embora não seja um vegetal comum encontrado na Itália, no outono, aparece aqui e ali em mercearias e mercados ao ar livre. Romanesco é rico em vitamina C, vitamina K, fibra dietética e carotenoides, por isso é um vegetal maravilhoso para desfrutar durante os meses mais frios como um prato vegetariano para qualquer prato principal de carne assada ou grelhada e aves. Como este vegetal tem um sabor tão delicado, fica muito saboroso de forma simples e apenas temperado com um pouco de alho, pimenta e limão.

Sua aparência, um tanto quanto “alienígena”, parece mais ter saído de um dos filmes de Star Wars.

Entendendo um pouco melhor a sua aparência ‘espetaculosa’:
A couve-flor Romanesco, um dos vegetais de aparência mais estranha por causa de seus floretes fractais, deve sua forma única ao fato de se formar a partir de flores fracassadas.

Como as couves-flores regulares, os romanescos são um produto da criação seletiva da planta Brassica oleracea, da qual também se originam vários outros vegetais comuns, como repolho , brócolis e couve.

François Parcy , do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica, e seus colegas descobriram que as couves-flores, incluindo o Romanesco, ganham forma porque começam como botões de flores que não se transformam em flores. Esses botões tornam-se brotos que produzem novas flores que também falham – e o processo é repetido várias vezes em uma espécie de reação em cadeia.

Informação adicional

Peso Não aplicável